Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O meu cancro


Sexta-feira, 13.11.15

ESTÁ TUDO BEM!

... é o que mais queremos ouvir quando vamos a uma consulta médica e foi o que ouvi na Quarta-Feira da nova médica, que se mostrou atenciosa e disponível para esclarecer as minhas dúvidas. 

É sempre com alívio que saimos de uma consulta em que ouvimos aquela frase. Por mais descansados que estejamos criamos sempre alguma espectativa quando se aproxima a consulta. Esta ainda por cima foi desmarcada quando o Dr. Sérgio Barroso saiu. Depois de marcada novamente foi alterada para outra data. E na véspera telefonaram-me a adiá-la para Março, para pouco depois a confirmarem para a data marcada, pedindo desculpa pelo engano. Tudo isto gerou alguma intranquilidade que foi totalmente dissipada com o "está tudo bem!".

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 00:07

Quarta-feira, 21.10.15

O MEU ESTADO

Na Segunda-Feira lá fui fazer mais uma manutenção do catéter à Oncologia. Já tinham passado quatro meses desde a última. Tinham-me dito para ir de dois em dois meses... Mas o que interessa é que estava bem.

A meados de Novembro, tenho a consulta que tinha sido desmarcada com a saída do Dr. Sérgio Barroso. Voltou a ser marcada. Antes vou fazer análises, para que o Médico (não sei quem) possa apreciar os resultados na consulta.

Continuo a sentir-me bem. Mas o "coeficiente de cagaço" mantém-se elevado. Sempre que sinto algum mal-estar fico logo preocupado e receoso. Mas continuo confiante de que tudo tenha passado e que não tenham ficado resquícios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 23:29

Domingo, 23.08.15

«ESSA HISTÓRIA DO GUERREIRO É DEVERAS IRRITANTE.»

Essa história do guerreiro é deveras irritante. Perante uma doença dessas, que fazer, senão aceitar o que a ciência oferece. Não há escolhas nem atos heróicos.

Existem também aqueles que rejeitam a medicina e fecham as portas às oportunidades e deitam os dados da sorte à espera do que virá. Também não considero ter sido bafejada pela sorte ao descobrir uma doença destas. Ter cancro é ter morte anunciada e vá de, num gesto de comiseração, atribuir-lhe galardões. Merda para os títulos. Preferia não viver nesta constante inquietação de encontrar outra vez ali ao virar da esquina está filha da mãe. E juro que nem sei se estarei disposta a submeter-me ao veneno da quimioterapia que nos rouba a vida. Será que isso nos salva?
De Anónimo a 22.08.2015 às 17:46, AQUI.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 00:57

Terça-feira, 21.07.15

PARA OS QUE ESTÃO A SER CONFRONTADOS COM UM CANCRO

Porque vos pode ser útil, transcrevo aqui um post que escrevi aqui há dois anos:

Desabafo, se calhar, injusto...

De facto, o cancro é uma doença social. Porque não afecta apenas o doente mas também os que com ele se relacionam.

Nem sempre esse relacionamento é fácil, principalmente, durante a fase da quimioterpia, por causa dos efeitos desta.

No meu caso particular, sinto que algumas pessoas que me são próximas têm dificuldade em perceber o que se passa comigo e, em consequência, de lidar comigo. Por vezes, sinto necessidade de explicar o que se está a passar, que me condiciona e altera o meu comportamento. Nalguns casos e alguma vezes, arrependo-me de o fazer porque me parece que algumas pessoas acham que me estou a vitimizar ou a tentar aproveitar da situação, para me esquivar a fazer algumas coisas. Talvez o facto de durante todo o tratamento ter levado uma vida, mais ou menos, normal, tendo apenas faltado ao trabalho nos dias em que tenho tratamento, contribua para isso...

Nem sempre é fácil conviver com essas incompreensões e pouca disponibilidade para perceberem melhor e aceitarem o que nos condiciona e altera o nosso comportamento e a necessidade de maior compreensão e aceitação da nossa condição.

Sei os problemas e as dificuldades que a  minha situação que lhes causa, mas não fui eu que pedi para ter um cancro, para fazer quimioterapia e para esta me alterar o comportamento e condicionar a vida...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 01:30

Quarta-feira, 20.05.15

TERÁ SIDO A ÚLTIMA CONSULTA COM O DR. SÉRGIO SARROSO?

Na Segunda-Feira, fui à consulta de oncologia e o Dr. Sérgio Barroso disse-me, depois de analisar os resultados dos exames que me mandou fazer, que está tudo bem.

Por mais convencidos que estejamos de que o "mal foi cortado pela raiz", como é o meu caso, ficamos sempre um pouco ansiosos antes destas consultas. Mas depois é muito reconfortante ouvir o médico dizer que "está tudo bem"...

Face às notícias entretanto divulgadas, terá sido esta a última consulta com o Dr. Sérgio Barroso? - Espero que não, porque a sua anunciada saída poderá constituir uma perda com graves consequências para o futuro do serviço de Oncologia em Beja e para os doentes da região.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 00:41

Quinta-feira, 07.05.15

ESTÁ COM BOM ASPECTO

IMG_20150308_151727.jpg... é o que me dizem quase todas as pessoas que há algum tempo não me viam.

Esta declaração pode ser entendida, pelo menos, de duas formas:

- as pessoas esperavam ver-me em tão mau estado que ficam surpreendidas por assim não acontecer;

- as pessoas acham-me tão mal que se sentem na obrigação de me animar.

Para os que não me vêem há algum tempo aqui deixo esta foto de Março último, para que possam ver o aspecto que tenho e fazer as avaliações que entenderem.

Para além do que outros possam achar e dizer, sinto-me bem, acho que o mal foi cortado pela raíz e só me lembro do que por que passei quando alguém me pergunta como estou ou me queixo de qualquer outra coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 00:04

Terça-feira, 14.04.15

É POSSÍVEL TER FILHOS DEPOIS DE UM CANCRO

A Sociedade Portuguesa de Medicina da Reprodução vai lançar uma brochura para médicos e doentes com essa informação.
O cancro está a aumentar e atinge cada vez mais pessoas em idade fértil. A quimio e a radioterapia afectam a fertilidade, mas ter um filho depois de um cancro não é impossível.
A falta de informação é um aliado da infertilidade, diz a presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina da Reprodução. Por isso, este organismo elaborou uma brochura para médicos e doentes com essa informação.
O mais frequente na mulher é o cancro da mama e nos homens são os tumores do testículo e os linfomas.
A presidente da Associação de Reprodução reconhece que a situação tende a agravar-se, porque estando a incidência do cancro a aumentar, também está a subir o número de casais que adiam a idade da primeira gravidez. “Temos todas as condições para um aumento do número de pessoas que ainda não tiveram filhos, ou ainda não tiveram todos os filhos que desejam, e que são atingidos por um cancro com a possibilidade de afectar a sua fertilidade”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 23:47

Segunda-feira, 16.03.15

COEFICIENTE DE CAGAÇO AUMENTOU

Constitui lugar comum dizer-se que nada voltará a ser como dantes quando algo de muito grave acontece. É lugar comum mas é também a realidade o que acontece quando se tem um cancro. Exemplifico com o meu caso. Quase não me lembro que fui operado há dois anos para me ser retirado um tumor e que fiz quimioterapia durante seis meses. Mas sempre que sinto qualquer mal estar ou dor, principalmente na barriga, tendo sempre a relacionar isso com o cancro. Será que me livrei mesmo totalmente dele é a dúvida que se me coloca. É por isso que digo que o coeficiente de cagaço aumentou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 23:35

Sábado, 24.01.15

FUI OPERADO A UM CANCRO HÁ DOIS ANOS

Fez hoje dois anos que fui operado a um cancro no cólon. A oportunidade com que foi feita a operação terá sido o mais determinante para me salvar. Se tivesse demorado mais e se a doença tivesse avançado mais talvez as coisas não se tivessem passado da mesma maneira.

A intervenção correu bem, apesar de ter sido maior do que a inicialmente esperada, porque a localização do tumor era diferente da diagnosticada.

Dois anos depois, quase não me lembro e parece-me que foi há muito mais tempo. Mas fazendo um esforço de memória lembro-me das dores que senti nessa noite, que quase não me deixaram dormir.

Nessas alturas sentimos como somos insignificantes. Sem praticamentre nada podermos fazer e sem a atenção e o apoio que gostaríamos de sentir e ter. Isto apesar de ter sido sempre bem tratado. Não tem a ver com o apoio profissional mas com as circunstâncias em que nos encontramos e nos sabia bem ter algum mimo... Mas também, nessas alturas, apetece-nos estar sós, quer para descansar, quer para reflectir.

Recordo ainda os dois companheiros de infortúnio, que me ladeavam na enfermaria, mais velhos e em estados bem mais complexos e graves, que já lá estavam e que que por lá continuaram quando tive alta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 23:02

Sexta-feira, 09.01.15

FEZ HOJE DOIS ANOS QUE ME FOI DIAGNOSTICADO O CANCRO

Há precisamente dois anos, que a primeira colonoscopia que fiz acusou "Neoplasia (exofítica) no ascendente" do cólon - "Lesão vegetante circunferencial e estonesante de ascendente (?), não ultrapassável".
Para que não subsistissem dúvidas, perguntei, em tom afirmativo, um cancro, não é?
Logo nessa altura fui informado que deveria ser operado o mais depressa possível; que, sendo uma situação grave, não era das mais graves porque não ficaria com saco; e que poderia ter de fazer algum tratamento depois da operação, dependendo dos resultados desta e dos vários exames.
Encarei a situação com naturalidade surpreendente – porque, não tendo encomendado o cancro, tinha agora era de ver se me safava – e concentrei-me no processo que me levaria à operação no mais curto espaço de tempo, para ver se me via livre do “bicho” antes que ele me devorasse. Parece que consegui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé LG às 23:58


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930


Links

Informativos

Informativos